Tuesday, August 08, 2006

Equióids(ouriço do mar)
Holoturóides(pepino do mar )
asteróide:(estrela do mar)
crinóides:(lirios do mar)
ouriço do mar
estrelas e ouriços



Os Equinodermos

(Corpo, Esqueleto,Anatomia,Reprodução egrupos)

Todos os equinodermos, sem exceção, vivem nos mares. Possuem endoesquleto calcificados e espinhos que resaltam na superfície do corpo. Eles se locomovem apenas por arrastamento, sobre pedras ou na areia do fundo. Algumas espécies são fixas, como os lírios do mar .O nome equinodermos significa pele com espinhos ( echinos = espinho; derma = pele), os quais podem ser grandes, como nos ouriços do mar, ou pequenos, como nas estrelas do mar. Possuem simetria radial na fase adulta e bilateral na fase embrionária. Além dos ouriços, estrelas e lírios do mar há ainda os pepinos do mar, de corpo cilíndrico, alongado; e os ofiuros, semelhantes às estrelas.

Um corpo diferente:

Os equinodermos e o celenterados (corais) são dois únicos filos que apresentam simetria radial. O curioso é que nesses casos o animal não tem uma cabeça ou cauda, nem lado direito ou esquerdo. Ao se deslocar, qualquer braço pode comandar e dirigir o deslocamento do corpo.
Uma locomoção muito especial:

Os equinodermos têm um sistema locomotor único em todo o reino animal. É o chamado sistema ambulacrário (ambulare = andar). A locomoção é feita pelo movimento coordenado de centenas de pequenos pés, localizados em fileiras na região ventral do corpo.Os pés são tubinhos cheios de água que se dispõem aos pares, todos interligados a canais internos. Esse conjunto forma o sistema ambulacrário. A água do mar, que preenche o sistema, pode determinar maior ou menor pressão no interior dos pés, que assim, ficam estendidos, mais rígidos, ou relaxados, moles. São essas variações de pressão que permitem os movimentos dos pés.Além disso, as estrelas também podem movimentar amplamente os braços.

Um forte esqueleto:

Os equinodermos têm um esqueleto bem desenvolvido e resistente, formado por um conjunto de placas calcárias unidas entre si, articuladas ou não. Sobre estas placas podem existir espinhos longos e curtos. Os espinhos longos do ouriço do mar têm boa mobilidade e auxiliam na locomoção. Com eles animal consegue até escavar buracos na rocha, para se proteger da força das marés e das ondas. Revestindo externamente esse esqueleto há uma fina camada de células, a pele, que não é visível.

Uma anatomia interna simples:

O sistema digestivo dos equinodermos é simples : boca, estômago, intestino e ânus. Nos ouriços não há estômago, e, nas estrelas, o estômago tem grandes glândulas ramificadas, que produzem sucos digestivos.Nos ouriços há um aparelho bucal muito grande, com cincos dentes que correm dentro de placas arranjadas em forma de uma lanterna, que por isso, é chamada lanterna de aristóteles. Com esses dentes, o animal pode raspar algas das rochas, seu principal alimento.A respiração dos equinodermos é feita por pequenas brânquias ao redor da boca e ainda em toda a extensão do sistema ambulacrário, onde circula a água do mar.

A reprodução dos equinodermos:

Os equinodermos são animais de sexos separados. Machos e fêmeas lançam seus gametas, espermatózoides e óvulos, na água, através de poros. A fecundação é portanto os zigotos formam microscópicas lavras que compõem o plâncton e depois se transformam em animais jovens. As larvas são de vários tipos e apresentam expansões para melhor flutuação na água.

Os grupos de equinodermos:

Existem cinco classes de equinodermos:

Asteróides: As estrelas - do - mar.
Elas têm cinco ou mais braços, que em algumas espécies são ramificados. Os braços têm placas articulades e com isso apresentam os mais variados momentos, inclusive permitem ao animal voltar à posição normal, se for colocado com a região ventral voltada para cima. Há estrelas que chegam a ter de 40 a 50 centímetros de diâmetro.

Equinóides: Os ouriços - do - mar .

. Eles podem ter forma mais ou menos esférica (ouriços regulares) ou bem achatadas (ouriços irregulares). Estes são as chamadas bolachas da praia ou corrupios, com pequenos espinhos móveis em toda a periferia do corpo.Os ouriços regulares têm grandes espinhos que podem causar ferimentos, pois suas pontas agudas são quebradiças e ficam cravadas na pele, provocando infecções. Nestes animais existe a grande lanterna de aristóteles. Entre os seus cinco dentes fica a boca. Os pés ambulacrários desses ouriços são muito longos, e, quando distendidos, superam o comprimento dos espinhos.
Holoturóides: Os pepinos - do - mar .

Nesses equinodermos o corpo é cilíndrico, alongado. Numa das extremidades fica uma coroa de tentáculos, com a boca no centro. Na outra extremidade, fica o ânus. As placas do esqueleto não são ligadas entre si e aparentemente eles não têm esqueleto. Os pepinos ficam enterrados na areia e se alimentam de restos de várias origens.
Crinóides: Os lírios - do - mar .
Animais fixos, com cinco braços, dotados de pequenas ramificações. Poucas espécies são nadantes


Ofiuróides: Os ofiuros.

Eles são muito semelhantes às estrelas, com corpo pequeno em forma de moeda e cinco finos e longos braços que se movimentam bem rápidos. Vivem escondidos sob pedras. Vulgarmente são chamados de serpentes - do - mar.

(Classes e caractristicas)
Não existe nenhuma espécie de equinodermo adaptada à água doce. Talvez isso se justifique por sua suposta origem a partir de grupo mais adiantados e marinhos que regrediram, tomando-se fixos, sofrendo involução da cabeça e assumindo simetria radiada na fase adulta.Seus espécimes apresentam algumas particularidades importantes que devem ser vistas logo de início, pois os distinguem dos demais invertebrados. São:

· Simetria bilateral do embrião e simetria pentarradiada na fase adulta;
· Celoma de origem enterocélica
· Deuterostomia.

a) As características dos equinodermos

Uma das características mais marcantes é a presença de um complexo sistema de lâminas, canais e válvulas, denominado sistema aqüífero. Este sistema relaciona-se com a locomoção, secreção, respiração, circulação e até mesmo com a percepção do animal.

Outras características básicas:

· São animais de vida livre, predadores ou detritívoros.
· Simetria bilateral enquanto larva e formato pentarradial nos adultos.
· São triblásticos e celomados.
· Corpo sem cabeça.
· Possuem endoesqueleto calcário.
· Dotados de sistema aqüífero.
· Animais dióicos, com fecundação externa e desenvolvimento indireto; produzem larvas ciliadas.
· Não possuem sistema excretor especializado.
· Têm sistema digestivo completo.
Merece destacar também a maneira de formação do celoma nos equinodermos. Nestes animais, o celoma tem origem em bolsas ou sacos celomáticos, que surgem por evaginações laterais das paredes do intestino primitivo ou arquêntero. Diz-se que a formação do celoma por este processo é entorocélica (do grego enteron, ‘intestino’, e keilos, ‘cavidade’). Esse processo só ocorre com os equinodermos e com os cordados. Com exceção dos equinodermos, todos os invertebrados têm celomação esquizocélica, isto é, a partir de brotos celulares endodérmicos que se desprendem das faces laterais do arquêntero, multiplicam-se e se separam, delimitando então a cavidade celomática que, aos poucos, vai se constituindo.Há ainda mais um detalhe importante: durante o desenvolvimento embrionário estabelece-se a gástrula, que tem a forma de um balão. A "boca" desse balão é o blastóporo. Em muitos animais, após o desenvolvimento completo do embrião, o blastóporo permanece com a função de boca. Esses animais são classificados como protostômio (do grego proto, ‘primitivo’, e stoma. ‘Boca’). Nos animais mais evoluídos, o blastóporo fica reduzido, no animal já formado, à função de ânus. A boca surge de uma nova cavidade que aparece na porção anterior do corpo. Esses animais são denominados deuterostômios (do grego deuteros, ‘segundo’, e stoma, ‘boca’). Também sob este aspecto, os equinodermos (todos deuterostômios) são os invertebrados que mais se aproximam dos cordados, uma vez que moluscos, artrópodos, anelídeos e asquelmintos são todos protostômios.Existem células tácteis e olfativas espalhadas por toda a superfície do corpo dos equinodermos. Nas estrelas-do-mar, encontram-se grupos de células fotorreceptoras que atuam como minúsculos olhos nas extremidades dos braços.Os equinodermos são todos de vida livre. Nunca formam colônias e não há espécie parasita. O corpo não revela segmentação. Desprovidos de cabeça, eles têm um sistema nervoso elementar, com um anel nervoso ao redor esôfago, do qual partem nervos radiais que se dirigem os braços ou para os lados (nos que não têm braços). O tubo digestivo é simples. Nas estrelas e nos ouriços, a fica voltada para baixo (face oral) e o ânus fica voltado para cima (face aboral). Nos ouriços, existe junto á boca um órgão chamado lanterna-de-Aristóteles, organizado por cinco dentes calcários fortes e afiados, cujos movimentos são coordenados por músculos desenvolvidos. Nas estrelas, esse órgão não existe, mas em compensação o intestino (que se segue ao estômago) é provido de cinco pares de cecos digestivos, que se dispõem na direção dos braços.Não há um sistema circulatório típico, já que podemos encontrar apenas alguns canais em contato com o celoma, pelos quais circula um líquido claro com amebócitos. Esses canais vão até as brânquias, em número de 10, situadas ao redor da boca, onde ocorrem as trocas gasosas com o meio ambiente e a eliminação dos produtos de excreção. Conseqüentemente, não há sistema excretor definido nos equinodermos. Os equinodermos revelam sexos separados (animais dióicos) e fazem a fecundação externa (o encontro dos gametas ocorre na água). Há diversos tipos de larva, todas ciliadas, mas a mais comum é o plúteo. Algumas espécies realizam a regeneração com muita facilidade. Entre as estrelas, até mesmo o fragmento de um braço pode reconstituir um animal inteiro.O principal sistema desenvolvido pelos equinodermos é o sistema aqüífero ou ambulacrário, característico desse filo. Ele se compõe de: placa madrepórica (pequena lâmina circular com numerosos orifícios), localizada na face aboral junto ao ânus; canal pétreo, por onde circula a água do mar que entrou pela placa madrepórica; anel periesofagiano, conduto circular que dá prosseguimento ao canal pétreo e do qual saem às vesículas de Poli e os cinco canais radiais, que se expandem por zonas especiais, dispostas radiadamente no corpo do animal. Cada canal radial emite numerosas ampolas, das quais partem os pés embulacrários. A água penetra pela placa madrepórica, percorre todo o sistema ma e é eliminada pelos terminais dos canais radiais. Ao passar pelas ampolas, pode ser compelida (por pressão com os músculos) a entrar nos pés ambulacrários, que se estufam para frente. Como esses pés possuem ventosas nas extremidades, isso pode permitir ao animal fixar-se num substrato ou reter um alimento. A contração de outros músculos pode devolver a água às ampolas, determinando a retração dos pés ambulacrários. Todo o sistema aqüífero ou bulacrário é apenas uma especialização de parte do celoma dos equinodermos.

b) As classes dos equinodermos

O filo Echinodermata compreende cinco classes:

Classe Crinoidea (Crinóidea)
Animais fixos, dotados de um pedúnculo, com mentos semelhantes a rizóides, que servem para fixação rochas. Dez tentáculos ramificados que lhes dão aspecto de flor. Conhecidos vulgarmente como lírios-do-mar (Antedon meridionalis). Alguns são flutuantes, com certa capacidade para nadar.

Classe Ophiuroidea (Ofiuóidea)

Equinodermos livres, corpo achatado em forma moeda com cinco tentáculos serpentiformes muito móveis. Conhecidos como serpentes-do-mar (Ophiura cinerea)

Classe Asteroidea (Asteróidea)

Animais bentônicos (que vivem somente no fundo d’água), apresentando movimentos discretos dos braços ou deslocando-se mesmo sem mexê-los, apenas com expansões e retrações dos pés ambulacrários, que formam fileiras, aos pares, na face inferior de cada braço. Possuem manchas ocelares (órgãos visuais) nas extremidades braços. Carnívoros. Devorem ostras e ouriços-do-mar. Para tanto, costumam everter o próprio estômago sobre a vítima. Depois de digerir parcialmente o alimento, o estômago é recolhido ao interior do corpo. Número de braços variável de acordo com a espécie. Conhecidos como estrelas-do-mar (Astropecten bresiliensis e numerosíssimas outras espécies).

Classe Echinoidea (Equinóidea)

Corpo semi-esférico ou globoso, desprovido de braços ou tentáculos, mas recoberto de espinhos grandes e numerosos com certa mobilidade. Conhecidos como ouriços-do-mar. Possuem lanterna-de-aristóteles. Alguns ouriços têm o aspecto achatado de um escudo. São chamados de escudos-de-são-Jorge, corrupios ou pindás (muito encontrados no nosso litoral, principalmente em Santos).

Classe Holothuroidea (Holoturóidea)

As holotúrias, possuem corpo alongado, mais ou menos cilíndrico, mole, com alguns pequenos tentáculos — brânquias — ramificados ao redor da boca. Vulgarmente, são os pepinos-do-mar, que vivem no meio das rochas ou sobre a areia no fundo do mar, mas não muito longe da costa, em pequenas profundidades.
alunos: Pablo (29) ,Elio ( 10), Estevam(11) e Jean( )